O bambolê mágico

Pequenas coisas, pequenas ações e um olhar atento. Um simples bambolê torna-se mágico após um bate-papo com o pai.

Quando minha filha Ester estava com 7 anos, percebi que ela estava precisando de um estímulo para perseverar. Observei que quando ela encontrava obstáculos acabava desistindo facilmente, por achar que não conseguiria finalizar certa atividade, que ora era uma tarefa da escola, ou um brinquedo que era preciso montar, ou até mesmo atividades que exigiam desenvolvimento da coordenação motora.

Ester acabava perdendo a paciência com ela mesma, à medida que não tinha sucesso, mesmo com poucas tentativas já hesitava e ficava irritada, até começar a chorar.

A minhas tentativas de incentivo sempre esbarravam no sentimento que ela tinha de fracasso, e quanto mais eu dizia, “filha, você vai conseguir, é só continuar tentando não desista que vai dar certo”, mesmo assim ela respondia “não consigo, nunca dá certo eu estou cansada de tentar e não conseguir”. Eu entendi que ela se sentia assim, porque a experiência que ela estava vivenciando, sempre falava mais alto do que as minhas palavras de estímulo.

Então eu percebi que somente uma atividade lúdica seria capaz de abrir seus olhos para novas possibilidades, e lembrei dos ensinamentos sobre a importância do contato visual e atenção concentrada do livro “Como Realmente Amar Seu Filho”. A oportunidade surgiu quando ela estava tentando brincar com um bambolê, aquele brinquedo dos anos 80 que é uma argola gigante usada em volta da cintura.

Em meio à tentativas sem sucesso, Ester começou a ficar irritada por não conseguir. Foi então que comecei a dialogar sobre autoconfiança com uma certa dose de neurolinguística: – Filha, pára tudo, o papai vai te ensinar umas palavras mágicas que vão te ajudar a conseguir rodar esse bambolê, e você vai ficar muito boa nisso! Mas é o seguinte, você tem que repetir essas palavras todas as vezes que errar, porque elas vão te dar uma força especial. Você quer saber quais são essas palavras?

Foi uma conversa com “olhos nos olhos” onde pude ver que aqueles lindos olhos castanhos brilhavam, a deixando radiante quando disse: – Sim papai, eu quero muito!!!

– Então vamos lá! Você tem que falar essa frase confiando que vai acontecer, pois o segredo da mágica é você acreditar. As palavras são essas: 1, 2, 3 eu vou conseguir, eu vou conseguir, eu vou conseguir. Pronto! Á partir de agora, tudo que você for fazer, principalmente se for muito difícil, sempre use essas palavras mágicas, combinado?

– Combinado papai, veja se eu aprendi então…

Ela repetiu as palavras direitinho e seguiu em frente. E isso fez com que ela passasse a acreditar em si mesma, e principalmente ser perseverante. O resultado todos já sabemos: sucesso!

E funcionou mesmo, Ester passou a usar as palavras para vencer os desafios, e alcançar metas. Alguns meses depois me emocionei quando ela me disse: “pai todas as vezes que eu não estou conseguindo fazer alguma coisa, eu sempre digo, 1, 2, 3 eu vou conseguir, eu vou conseguir, eu vou conseguir. Aí papai eu sempre consigo!”

Certo tempo depois perguntei como ela estava com o bambolê e pedi para me mostrar. Fiquei impressionado com a agilidade dela, sensacional! Ela ficou super ágil e até aprendeu alguns truques. Agora com 8 anos ela foi escolhida para fazer parte do time de bambolê nos jogos escolares.

Samuel vida boa de pai

 

Samuel Malafaia é casado com Roberta e pai carinhoso, babão e cuidadoso da princesa Ester. Apaixonado pela sua família, por música, futebol e uma mesa rodeada de amigos. (Perfil do Facebook)

 

 

Junte-se a nós na comunidade #vidaboadepai! Faça como o Samuel!! Se você tem interesse em compartilhar momentos, inspirar outros pais, contar histórias ou fazer um depoimento, envie então um e-mail para eutenho@vidaboadepai.com.br. Vamos ler, responder e se você quiser, iremos contar a sua história no blog Vida Boa de Pai.

Comentários do Facebook

comentários

Comente aqui